História

Breve história dos Ministérios Verbo

Os primeiros ministros da Verbo, com a visão de alcançar e transformar o mundo para Cristo, formaram uma igreja sólida com membros e líderes dedicados à causa de Jesus na Guatemala. Posteriormente, fundaram um colégio, um orfanato e logo desenvolveram obras sociais que permitiram alcançar os desamparados.

Mais adiante, enviaram várias missões ao interior do país e às nações estrangeiras de língua hispânica, e finalmente a nações e línguas não hispânicas, como Brasil, Canadá e Estados Unidos. Assim como de uma só igreja com visão e esforço saiu toda a base dos Ministérios Verbo que hoje conhecemos, espera-se que cada Igreja Verbo considere esse exemplo e faça o mesmo. E não somente reproduza esse modelo, mas faça muito mais do que fizeram os fundadores.

Deus Revela Sua Vontade

Na madrugada de 4 de fevereiro de 1976, um grande terremoto fez com que mais de trinta mil guatemaltecos perecessem, deixando milhões de pessoas sem abrigo adequado. Quando essa triste notícia foi divulgada nos Estados Unidos, um membro do grupo de jovens chamado Carlos Ramirez sentiu de Deus que eles deviam ser enviados para ajudar os guatemaltecos. Junto com outros dois missionários, viajaram para a cidade da Guatemala para ver como podiam apoiar. Carlos não sabia com clareza o que fazer até que uma pessoa o abordou em uma rua em meio à devastação.

A pessoa perguntou: “Você quer ajudar a Guatemala?” – “Claro”, respondeu Carlos. – “Então construa casas”.

Carlos tomou isso como revelação do Amado Deus. Telefonou para Jim Durkin para contar que havia encontrado o lugar e a maneira de começar uma obra missionária na América Latina.

Jim lhe perguntou: – “Onde você vai conseguir dinheiro para levar uma equipe à América Central?” Carlos respondeu, – “Não sei, mas Deus proverá”.

Em menos de dois meses, uma equipe de 15 adultos e seis crianças, com carros, casas ambulantes e caminhões, estava a caminho da Califórnia passando pelo México rumo à Guatemala para trabalho voluntário na obra de reconstrução.

Uma das características do grupo foi que a liderança não se centralizou em uma só pessoa; em vez disso, vários missionários compartilharam (entre suas atribuições na reconstrução) os trabalhos de pastoreio, estudos bíblicos e pregação. De fato, treinaram os guatemaltecos para assumir responsabilidades de ministrar aos novos que se agregavam diariamente à nova congregação; alguns deles eram profissionais e homens de negócios.

O que há em um nome?

Tanto crescimento obrigou o movimento a deslocar-se para uma zona mais central da capital e identificar-se como Igreja Cristã Verbo por uma série de razões muito importantes:

1. Usou-se o nome “igreja” para mostrar que Verbo era parte integrante do Corpo de Cristo, não um “centro”, uma “comunidade” ou uma “fraternidade” religiosa.

2.”Cristã”, foi escolhido como nome para enfatizar que a igreja estava interessada em apegar-se a Cristo e à Palavra de Deus, não a tradições e tendências habituais.

3.“Verbo” indicava que a igreja se baseia na pessoa de Jesus, o Verbo de Deus. Além disso, o fato de “Verbo” gramaticalmente significar ação contribuía para que os não cristãos perguntassem por que se usava um nome raro, abrindo assim uma porta para o Evangelho.

Finalmente, “Verbo” tem o mesmo significado em outros idiomas, como o português.

 

Profecias Indicam Nova Direção

A última etapa no desenvolvimento dos fundamentos da igreja Verbo se deu em dezembro de 1985, quando James e Lynn Jankowiak se mudaram para o Brasil com três guatemaltecos para abrir a primeira obra Verbo não dirigida a hispânicos ou a um país hispânico.

Eles estabeleceram a “Igreja Cristã Verbo” na cidade do Rio de Janeiro, com a intenção de fazer da cidade um ponto estratégico para alcançar o mundo da língua portuguesa.

Em 1989, associou-se a igreja do Senhor, do México, a cargo de Luis Mariano e Mirna Castellanos. Desde essa época, a igreja Verbo tem crescido em número de membros e em serviços sociais. Há quase cem congregações em 14 países desde Canadá, até Argentina e Espanha. Agora, cada congregação local tem sua história, uma história especial para contar nesse maravilhoso mover de Deus.

Nossa Visão

“Manter uma relação íntima com Deus, permitindo que Sua natureza nos governe, e que Seu amor, santidade, unidade e poder se manifestem em nós e se estendam por meio de nós ao mundo”.

Ter um propósito na vida é essencial. Como temos visto, o propósito da família Verbo é amar e glorificar a Deus. Sem este, caminharíamos sem rumo, buscando encher nossas vidas com atividades menores, levados por gostos, emoções, ativismo ou moda.

1. Cada crente deve conformar-se à imagem de Jesus, que deu dons aos homens.

2. Cada crente deve responsabilizar-se pela obra de evangelização mundial, ou seja, anunciar a mensagem de perdão de pecados, vida nova e eterna em Cristo a toda criatura.

3. Cada cristão deve trabalhar para a unidade do corpo de Cristo. Jesus está preparando uma igreja íntegra que reinará com Ele na eternidade.

Nossa Missão

Nossa missão é ver o nosso país convertido em uma grande família que, inspirada por Deus, expresse seu perfeito amor”.

Evangelismo: O discipulado exige um requisito prévio e este é a evangelização. Consideramos a tarefa de alcançar as pessoas que não conhecem a Cristo como um dever fundamental. Para essa tarefa, temos como referência o fato de sabermos que a pregação das Boas Novas é mais efetiva de uma posição de proximidade, serviço e amizade. Pretendemos chegar com a mensagem no lugar e na cultura daqueles aos quais queremos alcançar.

Discipulado: A evangelização não será completa se não for seguida pelo discipulado. O discipulado é o processo de ajudar a um cristão a reproduzir as virtudes e o caráter de Cristo em sua vida. Nossa tarefa é a de um mentor, um tutor, um pai espiritual. Somos chamados a participar com o Espírito Santo da formação de Jesus em nossas vidas e nas vidas dos outros, para que todos como cristãos e membros da igreja Verbo cumpramos as prioridades que a Bíblia já estabeleceu.

Maturidade: É o resultado de um bom discipulado e a prática da Palavra de Deus. Os valores deste mundo têm deformado a maneira de pensar dos homens. Essa deformação tem distorcido sua conduta em geral. Viver a vida cristã verdadeira nos conduz à maturidade. A maturidade implica uma mudança radical em nossa maneira de pensar, substituindo a velha informação por uma nova. Isso muda nossa conduta orientando-a ao propósito que Deus estabeleceu para seus filhos.

Cultura do Reino

Na cultura do Reino então, temos uma nova identidade, um chamado e uma unção para fazermos a diferença, andarmos ousadamente sobre esta terra de Deus pregando o Evangelho do Reino. Promovendo uma nova cultura, a cultura de Deus, a cultura do Reino: Romanos 8:17  “E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Deus: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.”

Após nós nos aculturarmos, devemos atuar  em nossas casas, aculturando a família: a esposa ou marido e, filhos na cultura do reino. A seguir podemos pensar nos parentes, vizinhos, amigos, colegas de trabalho e, em todo o lugar aonde colocarmos a planta de nossos pés, pois os céus se abrirão e o poder descerá e os sinais acontecerão: pessoas serão libertas, conhecerão a Jesus, serão salvas, curadas, mortos ressuscitarão etc..

O sucesso deste trabalho, esta no amor, tudo deve ser feito por amor a Jesus,  Deus espera que o honremos o amando como Ele nos amou e,  também ao próximo, como a nós mesmo. Jesus agiu dando este exemplo.

O Reino chegou!